Nada Na Vida É Para Sempre…

Pode até parecer fatalista. E é. Mas a verdade é que as coisas sempre são passageiras; as situações mudam constantemente, num simples piscar de olhos. E eu precisei mudar de rotina, de país e de vida, para entender plenamente essa verdade. Confesso, sem falsa modéstia e nem sombra de hipocrisia, que estou muito orgulhosa de mim mesma. Por anos à fio, tive a sensação de que eu era extremamente madura, absolutamente sábia e experiente, por muitas coisas que tive que superar nessa vida, mas hoje vejo aquela petulância inerente às pessoas jovens, que acreditam SABER TUDO! Não consigo evitar uma boa risada ao pensar nisso…

A vida me surpreendeu. Esses quase 3 anos de vivência no exterior me amadureceram mais do que todos os outros vividos na minha então zona de conforto. Posso afirmar que tenho sido transformada. E gosto de quem estou me tornando. Gosto do que a vida tem feito em mim. Fato. Mas essa semana tenho experimentado algo muito novo, que tem trazido um grande alento ao meu coração… Mais uma vez, grandes amigos estão indo embora. Pessoas com as quais a gente se envolveu, compartilhou, amou, chorou, riu, dividiu, somou, e agora somos obrigados à subtrair! Já falei aqui mais de uma vez, que uma das piores coisas para mim é essa eterna sensação de que, em breve, vamos nos despedir de mais alguém. Nem todo mundo veio para ficar. A maioria tem um tempo determinado, com planos de volta ao Brasil ou seu país de origem.

Quando recebi a notícia da data de embarque deles (fui a primeiríssima a saber), meu coração acelerou. Imediatamente entrei no meu processo de estimação de reclamação mental, de “coitadismo” interior, pensando que eu não precisava passar por isso, DE NOVO! Há 3 anos vivo essa coisa de me despedir, constantemente… E olha, se eu tivesse uma caixa de bombons por perto, teria me afundado nela, iniciando (com consciência!) um processo depressivo. Mas fiz o que eu tinha ao meu alcance, até porque estou de dieta: falei com Deus! E no meu processo de “terapia com o Todo-Poderoso”, comecei a enxergar algo diferente brotando em mim. Notei, lá fundo, um certo desejo de não me entregar, de não me deixar abater, mas de procurar responder à esse momento com amadurecimento, deixando a “menininha mimada” dentro de mim totalmente desconcertada!

Comecei a pensar no quanto eles estão felizes por voltar. E me alegrei junto. Comecei a pensar o quanto foi bom todo esse tempo que caminhamos juntos. E agradeci pela oportunidade de conhecê-los. Comecei a pensar em quantas vezes ainda terei que me despedir de pessoas que amo. E decidi aproveitar com alegria cada segundo que me for dado em companhia deles. Então eu entendi. Realmente estou mudando. Estou evoluindo. Como pessoa. O amadurecimento tão sonhado está batendo à minha porta. E a resposta a ele é de minha inteira responsabilidade. A escolha de ficar sofrendo e chorando, me lamentando e lambendo as minhas feridas, ou me sentindo uma coitada, é MINHA! Que libertador isso! E me levantei, decidida a ser autora da minha própria história. Decidida à usar tudo o que a vida tem me dado para construir a pessoa que quero efetivamente me tornar.

Aos nossos amigos que estão indo, só tenho à agradecer. Por absolutamente TUDO. Mas principalmente, porque sei que esse tempo juntos foi apenas o começo de uma história de amizade que vai durar, independente de distância. E porque, mesmo sem saber, eles ainda estão me ajudando a me conhecer mais, me respeitar mais e me ver, definitivamente, como a mulher forte que eu realmente estou me tornando… Obrigada, meus queridos! Eu amo vocês três. Mais do que nunca!

Nossa "família" aussie!

4 comentários em “Nada Na Vida É Para Sempre…”

    1. Nem um pouco, Sandra…

      Despedir de quem a gente ama ainda é um mistério pra mim… Nunca sei como encarar…
      Mas eu estou sempre tentando!

      Agradeço o abraço de Portugal… Lugar lindo!

  1. Oi carolina, gosto e leio sempre o seus post!!, são muito bons..
    Preciso de umas informações suas…eu vou estudar um tempo na australia e tinha uma duvida para qual cidade eu ir, tenho essa duvida, qual a diferença entre o estilo de vida de Sydney e o de Melbourne?
    Pelo pouco que sei gosto mais de Melbourne, se eu for para esta cidade talvez vou morar com um amigo no suburbio de Sanctuary Lakes.
    Você tem alguma informação sobre esse bairro? É um lugar bom pra viver?
    Muito Obrigado pela ajuda.

    1. Olá Marco…

      Tudo bem? Olha só, Melbourne está para São Paulo, como Sydney está para o Rio de Janeiro. Melbourne é uma cidade cosmopolita, cultural, intelectual, enquanto Sydney é mais praiana, mais quente, mais relax… particularmente, prefiro Melbourne umas 10 vezes, por isso moro aqui!
      Mas tudo vai depender do que procura numa cidade, é claro. Inclusive, Melbourne mais uma vez conseguiu o primeiro lugar entre as melhores cidades para se viver no mundo inteiro…
      Sobre Sanctuary Lakes, conheço muito bem o lugar… Tenho amigos que moravam lá e eu mesma já procurei casas lá para alugar… É um paraíso, mas um pouco distante para quem precisa ir pra City todo dia… Se usar transporte público então, vai ficar um tantinho mais chato…
      Porém, é lindo demais e extremamente aussie: casas enormes, lindas, agradáveis, com campo de golfe, parques, lagos… Não é à toa que o nome é Sanctuary Lakes RESORT! Hahahahah!

      Espero ter ajudado…

      Abraço.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s