O Fim De Uma Longa Espera

Enfim, chegou. Idealizei esse dia por longos 3 anos. Esperei por ele muitas e muitas vezes. Chorei ansiando que ele chegasse logo, por incontáveis vezes. Rodeei essa data de muitas expectativas. Cheguei a contar o tempo inúmeras vezes, fazendo as contas de quanto ainda teria que percorrer… Quando viemos para a Austrália, era esse o montante de tempo: 3 anos. Três LONGOS anos. Exatos 1.095 dias. Vinte e seis mil, duzentas e oitenta horas. Parecia impossível, quase insuportável. O contrato de trabalho do meu marido era a nossa referência de tempo. Pensava comigo, às vezes até em voz alta, que exatamente no dia do término do contrato, eu estaria de malas prontas na porta e passaporte na mão.

Um casal de amigos muito querido, daqueles mais chegados que irmãos, me presenteou com uma graça de relógio, na ocasião da nossa partida. Além de ser bonito, o tal presente veio carregado de simbologia: era para que eu contasse o tempo até o nosso momento de voltarmos para o Brasil! E eu contei… Nossa, como eu contei! Sou daquele tipo de pessoa para quem os cartões de fidelidade foram inventados. Gosto sempre dos mesmos lugares. Dos mesmos restaurantes, das mesmas comidas. Gosto de viajar sempre para meus os lugares prediletos. Tenho marcas preferidas para tudo que se pode imaginar nessa vida. Gosto dos mesmos amigos. Uns poucos, mas fiéis. Experimentar não é, definitivamente, uma das minhas palavras descritivas. Até hoje, quando eu penso em tudo que envolve uma mudança de país, me pego pensando, admirada: Deus do céu, como eu fui capaz de fazer isso?

É, eu fui… Talvez até porque eu tivesse essa data em mente, a tal que finalizaria meu “martírio” longe de tudo que realmente tinha importância para mim. Dentro do meu coração, estava sempre me prometendo: eu vou, mas eu volto! Logo que cheguei aqui, inconscientemente, eu vivia me esforçando para estragar tudo. Era um esforço DELIBERADO para não gostar de nada. Lembro-de de inúmeras situações em que fui extremamente insuportável, quando as pessoas me falavam bem de algo por aqui e eu respondia com toda a “singeleza”de um rinoceronte, que eu não precisava de nada novo, que eu estava satisfeita com tudo que sempre tive e conheci. Não precisava de uma língua nova, a minha estava excelente para o meu domínio. Não estava interessada numa cultura nova, já que eu tinha a minha própria. Não estava aberta para uma nova Igreja, porque a “minha” no Brasil seria a minha para sempre. Imagine uma pessoa estraga-prazeres. Multiplique por mil. Eu ganharia dela, de longe!

E lá no íntimo, eu pensava que seria melhor mesmo não me envolver com nada, porque eu iria embora assim que nosso contrato terminasse. E passaria a chave na porta, feliz da minha vida; daria um grande viva e sairia saltitante feito uma gazela enlouquecida, rumo ao Aeroporto. Nossa! Só de pensar eu vibrava! Puxa, quanto tempo ainda falta mesmo para esse dia chegar??? Absolutamente, nem um segundo! E não há malas, bilhetes de viagem, caixas de mudança, ou sequer um passaporte válido, já que o meu está vencido! E o que eu acho ainda melhor: não há mais uma data a esperar! Não há mais planos de ir embora. Não se conta mais o tempo nessa casa!

Conquistei após esses anos, aquela sensação agradável de gostar de onde se está, de gostar de viver como se está vivendo… Aprendi a amar Melbourne como minha, a me liberar (e liberar meu coração) para amar tanto a Austrália como o Brasil; a entender que a minha vida lá era boa, sim, mas aqui no momento é melhor! Levei muito tempo lutando dentro de mim para admitir isso, mas hoje se eu tivesse mesmo que voltar, estaria muito triste. Eu QUERO ficar. Eu QUERO viver aqui. Tenho planos para o futuro, AQUI. Sei que muitos que me conhecem, lerão isso com espanto, exceto minha melhor amiga, que sempre me diz estar se preparando para uma decisão minha de permanecer aqui para sempre. “PARA SEMPRE” é muito tempo, mas pela primeira vez, ao comemorar um aniversário de mudança pra cá, e pensar sobre isso, tenho alegria em meu coração ao afirmar SEM MEDO: eu QUERO ficar aqui!

Sei que Deus é quem dirige meus passos, minha vida e a vida da minha família, mas se Ele me permitir, por enquanto, é aqui o lugar onde eu quero estar. Desejo manter meu coração  sempre aberto e receptivo às mudanças que a vida me trouxer, mas por hora, se me for dado o direito de escolha, Melbourne é o lugar onde quero continuar escrevendo a minha história… Mais do que NUNCA, posso dizer ao terminar esse post: FELIZ ANIVERSÁRIO DE 3 ANOS PARA A NOSSA FAMÍLIA! E aos nossos amigos amados, que me presentearam com o relógio, posso garantir que vou usá-lo, ainda contando o tempo… Sempre contando o tempo até as nossas próximas férias no Brasil!

12 comentários em “O Fim De Uma Longa Espera”

  1. Carol, adorei o seu texto…passou um filme pela minha cabeça lendo suas palavras. Lembro exatamente quando te conheci, e da sua luta interior Brasil x Australia…e estou feliz em saber do seu “Dia do Fico”! Um grande beijo!

    1. Hahahahaahahahahhaha!

      “Dia do Fico” foi ótimo, Sil!
      Pois é, estou ficando, mas meu coração está muito diferente! Minha família está feliz, estou fazendo planos para os estudos, enfim, eu abri meu coração para as coisas boas e isso me fez um bem danado! Parei de lutar comigo mesma…
      Fora as pessoas incríveis que a gente vai conhecendo e vai agregando valor à nossa jornada… A Rosana e o Nixon me ajudaram muito nesse processo… Como ela me disse antes de ir embora, que ela estava indo triste, porque ela foi muito feliz aqui e que eu posso ser também! Ela está cheia de razão… e estou decidida a fazer acontecer em minha vida também!

      Grande beijo pra você também!

  2. Carol minha amada amiga!!! Pois é me espantei sim… Mas pense aí… Li bem devagarinho seu post para me deliciar mesmo!!!! em cada sentença que ia formando o pensamento. Amei de paixão. Quer saber??? graças a Deus que mudamos de opinião… Fico muito feliz porque essa mudaça e eu sei que é verdadeira porque foi feita devagarinho ao longo desses 3 “longos aninhos”. Até eu que passei só 6 meses me dá uma saudade!!!! de Mel.

    É isso aí. Parabéns para a família Almeida.
    Um beij]ao para todos.

    Família Marques
    Maze, chagas, Mila e Lívia).

    1. Olá, minha lindona!

      Fico feliz que tenha gostado… E também dou graças a Deus por podermos mudar de opinião nessa vida! Nada como ser livre através Dele, não é mesmo??? Foi um tempo muito difícil, desejando tanto voltar, que não conseguia aproveitar tudo o que Ele
      estava fazendo em minha vida!
      Mas agora tenho olhos, mente e coração abertos para o que Ele desejar fazer e, se possível, gostaria que fizesse por aqui mesmo!

      Saudade de você, querida amiga!

      Obrigada pelo recadinho carinhoso…

      Beijos em todos por aí!

  3. Olá Carol

    Parabéns pelos 3 anos de Austrália!Só quem vive a experiência sabe o que significa cada vitória, cada conquista.
    Um beijo

    Lourdes

    1. É verdade, Lourdes!

      Só estando aqui saber tudo que a gente sente, vive e sofre por estar tão longe!
      Mas muita coisa vai compensando e a gente vai aprendendo a dar valor no que Deus vai fazendo em nossas vidas…

      Beijo e obrigada!

    1. Olá Monique!

      Nunca morei em Perth, nem Adelaide… Entre as 3, apenas posso falar sobre Melbourne. Mas de acordo com a última pesquisa, Melbourne é a melhor cidade para se viver no mundo inteiro, então, me atrevo a dizer que Melbourne é de fato a melhor.

      Por nada!

  4. Olá Carolina! Fico feliz por você! Lembre-se, não importa o lugar, não importa a situação, nosso “lar” é onde nosso Pai está. Então, se Ele está em seu coração, qualquer lugar é o seu lugar. “Psalms 91:1,2: Happy is he whose resting-place is in the secret of the Lord, and under the shade of the wings of the Most High; Who says of the Lord, He is my safe place and my tower of strength: he is my God, in whom is my hope.” – Este lugar secreto, onde nada pode te achar, te tocar. Onde as preocupações acabam, as dores se aliviam, a saudade é acalmada, as dúvidas respondidas, é o momento em que você se coloca nos braços do Pai, e se entrega a ele. Não importa se na sua casa, se dirigindo, se em uma reunião na igreja. É quando você usa da intimidade conquistada por Cristo, intimidade que Ele quer conosco🙂 Fique na paz!

    1. Que bom, Vê! Fico feliz que tenha gostado… E o Mau vai ficar mais feliz ainda, já que não vou mais dizer que a culpa é dele da minha vida ter mudado tanto…
      Daqui pra frente só vou dizer: Mau, obrigado por ter nos ajudado a vir pra cá! Hahahahahah!

      Beijos em vocês 3, amiga!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s