Voltando Para Casa…

Antes de mais nada, gostaria de pedir desculpas a todos os leitores do Blog, pela minha ausência tão longa. Estou em débito com um montão de gente, comentários, pedidos de ajuda… Vou responder um a um, garanto; apenas tenham paciência comigo! No final do ano que passou, eu andei meio ocupada com a vida em geral e ainda inclui nela uma viagem ao Brasil, de férias, para rever família, amigos e passar as festas de fim de ano, em dezembro/janeiro. Como a maioria dos brasileiros, cuja rotina de vida real começa apenas pós-Carnaval, aqui estou eu entrando de novo na minha rotina, muito ansiosa para escrever… Quem acompanha os meus escritos por aqui, sabe que gosto mesmo de compartilhar minhas sensações, sentimentos e conflitos mais intensos, que digam respeito à essa minha dramática e profunda relação Brasil-Austrália. Pois bem, essa foi a primeira vez que fui ao Brasil GOSTANDO de verdade de viver na Austrália.

Para quem não me conhece ou ainda não leu sobre a minha difícil adaptação aqui na Terra dos Cangurus, vale ressaltar que sofri bastante pra me acostumar, aceitar e até mesmo deixar crescer dentro de mim um sentimento de amor por esse lugar. E fico entusiasmada por poder compartilhar o que sinto, porque acredito que vai ajudar muita gente que passa pelos mesmos conflitos…Hoje, posso afirmar, sem sombra de dúvidas, que essa última viagem à Terrinha foi imprescindível para fechar definitivamente algumas lacunas em meu mundo interior. Fechei um ciclo muito doloroso, entre o desejo de voltar ao Brasil e o de permanecer vivendo aqui. Desde que me abri, de fato, para aceitar minha nova vida por aqui, tudo dentro de mim mudou. Estar no Brasil foi maravilhoso, especialmente em época de férias, Natal, Ano Novo, meu aniversário… É muito bom rever as pessoas, lugares, cheiros, gostos, emoções, sensações; mas também é doloroso ver que muitas coisas mudam, outras não mudam nada, pessoas mudam, atitudes também! Enfim, vivi de tudo um pouco nesse tempo que passei por lá.

Diferentemente da minha ida anterior, em 2010, não me senti tão a vontade quando estava por lá. Senti falta da Austrália, de verdade. Senti saudade da minha vida, dos meus amigos daqui. Pela primeira vez, me senti fora do meu “habitat natural”, estando nele… Pela primeira vez, me senti uma estranha várias vezes, em diversas situações. Pela primeira vez, me senti não fazendo parte de algo, de algum lugar ou situação. Inúmeras vezes me senti sozinha, esquisita, sobrando, até sonhando (literalmente) com Melbourne. Senti que estava meio fora “de lugar”… E que sensações estranhas foram aquelas! Me peguei diversas vezes surpreendida comigo mesma, com meus pensamentos e desejos. É incrível o quanto a gente muda. Graças a Deus por isso! Fico extasiada em observar a capacidade do ser humano em se auto-adaptar, se reinventar, reciclar, transformar-se! E eu me senti plena, VIVA, em constante mudança. Não que eu goste de grandes mudanças; longe de mim. Mas também não gosto de rotina, mais do mesmo, o de sempre…

A surpresa foi boa. O saldo foi positivo. Me senti confortável em minha própria pele. E sabe o quê? O melhor? EU GOSTEI! Em determinado momento, eu queria voltar. Pra Austrália. Bem, vou escrever de novo, porque isso ainda está soando estranho aos meus ouvidos emocionais: eu estava no Brasil e estava querendo VOLTAR! E então minha ficha caiu: finalmente, eu já sabia onde estava meu coração; já sabia onde é o lugar que meu interior reconhece agora como “LAR”. Senti paz. Como não sentia há alguns anos… E por fim, após quase 30 horas de vôo, quando botei meus pés em solo aussie novamente, aquela sensação incrível encheu meu peito de algo que nem sei descrever, e eu pude enfim dizer pra mim mesma: EU ESTOU EM CASA!!!

14 comentários em “Voltando Para Casa…”

    1. Obrigada, minha linda! Também amo muito você! E obrigada pelo “pessoa incrível”… Exagero seu! Só tenho facilidade de escrever o que eu sinto. Beijo. Saudades!!!

  1. Espetáculo de relato. Nada como dar tempo ao tempo e permitir que a adaptação ocorra. Eu que venho acompanhando o blog há um bom tempo não imaginei ler um post desse partindo de você rsrsrsrs!

    Estive em Melbourne em 2011, mas infelizmente não conheci Caroline Springs (na parte West da cidade visitei apenas Point Cook e Sanctuary Lakes). Gostaria de saber se Caroline Springs é um bom bairro para viver com a família (possui boas escolas/creches e áreas de recreação) e como é o trânsito para o CBD nas horas de rush.

    Agradeço desde já a atenção, Amaury.

    1. Verdade, Amaury! Nessa situação o tempo foi mesmo um fator determinante. Não sou adepta do jargão de que o tempo cura ou resolve as coisas, porém, quando a gente amadurece uma idéia, uma decisão tomada, e dá o melhor de si mesmo pra fazer aquilo dar certo, então as coisas vão se ajeitando com o passar do tempo. Ele torna-se um aliado, não mais um algoz.
      Pois é, você já me conhece um pouco, através da leitura por aqui. Nem eu acreditei muito que um dia isso seria possível. Aliás, essa viagem foi marcante em muitos sentidos. Uma revolução interior.
      Gostou de Melbourne quando esteve por aqui???
      Bem, você conheceu os melhores bairros, então… Adoro Point Cook! Sanctuary Lakes, então, que coisa linda!!! Já estivemos com esses dois bairros na mira, mas me apaixonei demais por Caroline Springs.
      É um bairro excelente, super familiar, com escolas novas, bem equipadas, modernas. Temos vários centros de compras por perto e um Shopping Center relativamente bom. O bairro é todo cortado por lagos, jardins e lugares para caminhada e lazer. A grande maioria das casas é nova, já que o bairro existe há pouco tempo também.
      O maior problema é mesmo o trânsito. Aliás, problema esse que já se reflete em grande parte dos subúrbios, né? A cidade não pára de crescer! Os horários de pico deixam as saídas do bairro praticamente paradas. O ponto positivo é que existem várias alternativas de rotas. Temos muitas entradas, de todos os lados, por ser um bairro bem localizado. E quando eu falo “rush”, leia-se um pequeno trânsito, quase nada se comparado aos grandes centros brasileiros, lógico. As imagens do Google são bem legais e dão uma idéia real do quanto o bairro é bom. Dá uma olhada lá quando tiver um tempinho. Bem, sou suspeita pra falar, porque amo morar aqui…

      Um abraço e tudo de bom!!!

      1. Olá Carolina, como disse estive em Sydney e em Melbourne em Agosto de 2011 fazendo uma viagem de prospecção com a minha esposa. Eu sou um pouco suspeito, pois já fui pra Austrália com Melbourne no coração, apesar de ter achado Sydney linda senti Melbourne mais apropriada pra viver.

        Nos dias que passei em Melbourne, aproveitei pra conhecer Point Cook e Sanctuary Lakes, que eram bairros um pouco distante do centro, mas com boa infra-estrutura. Posso dizer que fiquei encantado, fiquei rodando feito uma barata tonta por Point Cook (de carro alugado) por cerca de uma hora e meia admirando a beleza e organização de lá.

        Em matéria de bairro, conheci ainda o CBD (fiquei hospedado quase em frente a southern cross station), docklands , southbank, e south yarra. O arrependimento ficou por conta de não ter passado por Caroline Springs e South Morang, pelas boas referências que coletei deles.

        É muito bom ouvir de você referências de Caroline Springs, pois como pesquiso bastante fico apenas com informações mais “frias” do bairro, sem saber efetivamente como é a vida nele. Sugiro depois um post seu falando mais da sua vizinhança e do seu entorno, seria muito legal!

        Depois da viagem de 2011 a vontade de ir só cresceu, pretendo ir como residente e fazer meu doutorado em TI ai (hoje tenho apenas o mestrado). Já a minha esposa é enfermeira do programa de saúde da família aqui em Fortaleza. O que segurou um pouco os nossos planos foi a “nossa” gravidez, estou com um filho pequeno (3 meses) e só devo ir quando ele estiver um pouco maior (2 anos). Apesar disso, já tive minha qualificação reconhecida pela ACS e estou de IELTS marcado, os planos não podem parar…não é mesmo?

        De toda forma, queria te congratular pelos textos incríveis, você não imagina como eles nos inspiram e alimentam nossos sonhos. Desejo tudo de melhor para você e sua família. Muito obrigado pela ajuda,

        Amaury.

      2. Ah, Amaury, Melbourne é apaixonante mesmo! Gosto de Sydney só pra passear; morar, jamais!
        Anotada a sua sugestão sobre o post falando do meu bairro; vou pensar nisso com carinho!
        Com certeza, os planos não podem, nem devem parar! Viver aqui é como um sonho, que a gente acorda e continua vivendo, todos os dias. Procuro viver com olhos de turista, olhos de observadora, sempre buscando ver o belo, o novo, o diferente em tudo que me rodeia. Vivo de câmera fotográfica na mão, como se estivesse vendo tudo pela primeira vez. Não quero nunca perder o encanto, o olho que busca novidade, porque isso aqui merece muita admiração e carinho daqueles que têm o privilégio de serem recebidos, adotados e aceitos nesse lugar, como parte da comunidade.
        Tenho tido esse privilégio incrível e quero fazer jus a ele enquanto a vida me permitir viver esse sonho…
        Não pare de sonhar, de lutar, de planejar… Vai valer a pena!
        Tudo de bom pra você, sua esposa e o “pequeno”…

        Grande abraço e vamos mantendo contato!

  2. Nossa Carolina, lendo tudo isso so me faz repensar sobre minha situacao aqui tambem. Logo vai completar 4 anos que estou vivendo aqui em Melbourne, e ainda nao voltei ao Brasil para uma visita. Sinto falta de muitas coisas; familia, amigos, comidas, mas me identifiquei tanto com esse lugar e com a cultura, que por vezes acho que sempre pertenci aqui. No comeco nao foi facil, como acretido nao ser para ninguem, porem com o tempo, conhecendo aos arredores, se virando com o ingles (para os que vem sem falar uma palavra de ingles, como eu), trabalhando e fazendo novas amizades, tudo se transforma e para cada vez melhor.
    Vou ficar aqui esperando seus novos posts com as novidades do Brasil. Tudo de mais maravilhoso para voce e sua familia.

    Atenciosamente,
    Gilvanete

    1. Olá Gilvanete!

      Bom receber seu comentário! Com certeza, o começo não é fácil pra ninguém! Porém, algumas pessoas não se acertam nunca, não se adaptam ou não se permitem uma transformação tamanha, porque acreditam que sentir-se parte disso aqui, amar esse lugar, vai acabar roubando delas o amor pelo Brasil ou por suas origens. O bom mesmo disso tudo é perder esse “medo” e poder viver entre duas culturas maravilhosas, envolver-se com dois povos lindos, ter jogo de cintura pra ver o bom dos dois lugares e ter pessoas amadas em ambos…
      Legal tre você por aqui… Novos posts em breve!

      Deus te abençoe! Abraço.

  3. Irmã, como sempre, vc é fantástica no expressae sentimemtos…as palavras dançam com vc em sincronia perfeita! E o meu orgulho por vc tb dança que é uma coisa!!!!!!!Que bom, ler isso tudo e ver como Deus foi aprimorando sua vida e sua visão das coisas que Ele tinha como projeto de vida pra vc e sua familia.Agora, não dá pra perder a oportunidade de dizer….ahahah…viu como da pra viver longe do Brasil!!!!!!!!Isso pra mim, é fantástico!!!!!!
    Beijos!!!!!te amo eternamente!!!!!

    1. Obrigada, minha irmã querida!
      Realmente é muito bom me permitir viver e sentir tudo isso… Resisti por muito tempo até que chegou meu momento de me entregar e deixar rolar. Hoje entendo tudo como um plano de Deus mesmo.
      Hahaha! Claro que você ia aproveitar pra soltar uma piadinha desse tipo, né? = )
      Mas você sabe do meu amor pelo Brasil e do quanto foi difícil me permitir viver longe de tudo e de todos. Piadas à parte, viver fora do nosso país de origem é “matar dois leões por dia”, já que a vida, por si só, exige que a gente mate pelo menos um.
      Porém, estou vencendo! E até gostando…
      Também te amo. Beijo enorme de saudade.

  4. Cheguei do Brasil há pouco mais de um mês, fui para Natal, Ano Novo e depois de 4 anos morando na Austrália minha sensação foi bem semelhante à sua. Em vários momentos me senti um peixe fora d água, mesmo estando na cidade na qual vivi por 40 anos! Senti saudades da Austrália, do meu trabalho, meus colegas de lá e de alguns amigos. Desta vez um pouco mais difícil de voltar para a Austrália porque deixei pra trás muitas pessoas queridas, algumas que talvez eu não veja de novo por lá (mas essa questão só Deus sabe), mas por outro lado, percebi que muitas coisas no Brasil não mudaram e inevitavelmente eu ficava comparando com a Austrália.
    O grande desafio nesta grande mudança é o desapego, esta é uma tarefa dolorosa no início, mas acredito que faz parte do nosso crescimento e do amadurecimento. Pois só quem vive fora sabe o que é.

    Amo meu país, mas estou aprendendo a amar a Austrália como lar. E assim vamos, matando 2 leões por dia.

    Um ano lindo pra você e continue com estes textos lindos, que sei que vem do fundo da sua alma. Viva plenamente querida, sem medo de ser feliz!!

    1. Olá Lourdes, tudo certinho???

      É exatamente assim como você está descrevendo! A gente vai se modificando tanto, que mal se reconhece, às vezes…
      Porém, essa mudança toda é pro nosso bem e o bem da nossa família, né?
      O importante é a gente se permitir essa mudança, encarar com fé e sabedoria e deixar Deus agir!

      Obrigada, querida! Vou continuar escrevendo sempre…

      Um ano excelente pra vc e sua família também, viu?

      Um abraço, com carinho.

  5. Oi Carolina, bom estar de volta aqui no seu blog. Não imagina o quanto me identifico com voce em relação a se sentir um peixe fora d’agua, tive a mesma sensação quando voltei ao Brasil em 2006 e mais intensa ainda quando voltei em 2010. O problema é que depois de 17 anos vivendo aqui em Melbourne tambem me sinto um peixe for a d’agua, e meu marido sente o mesmo. Um abraço Carolina, vamos tomar um café qualquer dia desses, te mando um e-mail.

    1. Olá Monica, tudo certinho?

      Pois é… Infelizmente, a gente acaba se sentindo meio fora de contexto…
      O bom mesmo é saber que a gente se encaixa por aqui e acabou se encontrando e construindo uma identificação com o novo país; triste seria se sentir sobrando nos dois lugares, né?
      Vamos marcar, sim! Bom que a gente troca experiências. Aguardo seu email…

      Abraço.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s