Corinthians vence o Criciúma e é campeão da Série B

timao3

O Corinthians e campeao da Serie B do Campeonato Brasileiro. Neste sábado, venceu o Criciúma por 2 a 0 e teve a ajuda do Avaí, que empatou com o CRB por 1 a 1. Assim, o time catarinense não diminui a diferença de 13 pontos na classificação para o líder, já que agora restam só quatro jogos e doze pontos em disputa.

A conquista ratifica o domínio do time no campeonato deste ano, já que o acesso estava garantido desde o dia 25 de outubro (após os 2 a 0 no Ceará). Já é o time com mais vitórias (22), o que tem menos derrotas (2), a melhor defesa (23 gols sofridos), e tem hoje o melhor ataque (71 gols marcados). Além disso, está invicto há três meses (desde 9 de agosto, quando perdeu por 2 a 1 para o Vila Nova).Os torcedores que foram ao Estádio Heriberto Hulse fizeram a festa. Gritaram “olé” no fim do jogo, mas chamaram a atenção pelo refrão do título: “não é mole não, ganhar a Segunda Divisão não fez mais que a obrigação”. “Acabou né, é campeão. Agora é aproveitar”, disse o goleiro Felipe. “Era nossa obrigação, tínhamos que subir, e quem não quiser que não comemore, eu vou festejar”, emendou.

Este domínio também foi confirmado no jogo. O Corinthians teve o controle da partida e criou boas chances. Poderia ter vencido por mais que os dois gols que marcou no primeiro tempo. Aos 22 minutos quem abriu o placar foi Chicão, de cabeça, em bola cruzada por André Santos em cobrança de falta. O segundo gol foi de Cristian, aos 34 minutos, em chute rasteiro no canto, após bela tabela com Douglas.

PÊNALTI – No restante da partida, o torcedor em Criciúma viu o time da casa obrigar o goleiro Felipe a boas defesas em lances com Zulu – que entrou no lugar do experiente Jardel, apagado em campo. Fora isso, ainda reclamou um pênalti em Luis André, após trombada com William, aos 39 minutos, mas o árbitro não marcou nada. Do outro lado, Lulinha também reclamou após ser travado por Cláudio Luiz, mas nada aconteceu.

DESFALQUES – O time terá dois problemas para o próximo jogo: Douglas, suspenso pelo terceiro cartão amarelo, e o massagista Ceará, que torceu o joelho esquerdo num atendimento (suspeita até de lesão de menisco) e precisou sair de campo de maca, numa cena incomum.

Ficha Técnica:

Criciúma 0 x 2 Corinthians

Criciúma – Vinícius; Luis André, Cláudio Luiz, Éverton e Mateus; Basílio, Coutinho, Luciano Bebê e Marcelo Rosa (Canindé); Luis Mário (Alexandre Acerola) e Jardel (Zulu). Técnico: Gonzaga Milioli.

Corinthians – Felipe; Alessandro, Chicão, William e André Santos; Cristian, Elias, Douglas (Diogo Rincón) e Morais (Wellington Saci); Dentinho (Bebeto) e Herrera. Técnico: Mano Menezes.

Gols – Chicão, aos 22, e Cristian, aos 34 minutos do primeiro tempo.

Cartões amarelos – Luciano Bebê, Jardel, Cláudio Luiz e Basílio (Criciúma); Douglas e Elias (Corinthians).

Árbitro – Márcio Chagas da Silva (RS).

Renda e público – Não disponíveis.

Local – Estádio Heriberto Hulse, em Criciúma (SC).F

AGENCIA ESTADO

Anúncios

Eu Tinha Que Colocar Aqui!!!

Gente, eu NAO resisti!!! Ficaram fofas, nao?

AQUI TEM UM BANDO DE LOUCO
LOUCO POR TI CORINTHIANS!

PARA AQUELES QUE ACHAM QUE É POUCO
EU VIVO POR TI CORINTHIANS!

EU CANTO ATÉ FICAR ROUCO
EU CANTO PRA TE EMPURRAR!

VAMO, VAMO MEU TIMÃO. VAMO MEU TIMÃO
NÃO PARA DE LUTAR!!

P.S. creditos a minha fotografa Brenda Nepomuceno! Hahaha!

So Mais Um!!!

SO MAIS 1 JOGO E A GENTE VOLTA PRO LUGAR DE ONDE NUNCA DEVERIA TER SAIDO!!!

NOSSO LUGAR POR DIREITO!!! TIMAO, EU NUNCA VOU TE ABANDONAR!!!

“São 5000 jogos corintianos no domingo, contra o Bragantino. Poucos foram ao primeiro. Muitos irão ao jogo 500000000000000000000000…. Como muitos torceram contra nos 4999 anteriores. É a conta que se paga por tanta paixão. As maiores torcidas do país não são as de Flamengo e Corinthians. São as torcidas antiflamenguistas e anticorintianas. Sei de gente que ama odiar os mais populares times do país. Sei de torcedor que preferiu ver o rebaixamento ao próprio time campeão. Sei de gente que torce mais contra que a favor. Não se pode recriminar. Faz parte do jogo. Mas quem, como eu, não é Corinthians, de fato, não sabe falar pelo corintiano.Queria dar o espaço a tantos amigos e colegas corintianos. Eles falam e sentem e sofrem e vibram melhor. Só que acho mais sincero um depoimento de quem não é. Mas que respeita demais quem é. Quem nasceu Corinthians. Quem morreu Corinthians. Quem vive Corinthians. Porque viver um amor desse não se usa no passado, nem no futuro. É um presente. É um dom. É uma doação, mesmo quando mais parece uma danação. Como foi de 1954 a 1977. Como será a Série B. Como gosta o “maloqueiro e sofredor, graças a Deus”. É sina. Que não se explica, que fascina até quem não é, até quem não gosta. Não sei explicar o Corinthians. Nem os corintianos conseguem. Só sei que o jogo 5000 é um marco. Marca. Uma festa. Mas, no fundo, é mais um jogo para quem nunca vai abandoná-lo. Tanto faz se é 4999 ou 5001.Tanto faz se vai ter Rivellino ou Bruno Octavio em campo. Não importa o campeonato, o amistoso, o adversário. Importa é que o Corinthians vai estar em campo. Aliás, que não me leiam: não importa nem mesmo se o Corinthians estará jogando. O que importa é que haverá no estádio e em cada canto um fiel. Um estado de espírito alvinegro. Um torcedor que acredita sem ter o porquê; que torce sem ter por quem; que joga sem ter com quem. O corintiano não torce por um time. Ele torce pela torcida. Por isso, não precisa a equipe estar em campo. Basta um corintiano encontrar um corintiano pela cidade. Esse é o jogo. Essa é a alegria. Essa é a vitória. Esse é o título incontestável. Um torcedor que se sente campeão só de ver um outro torcedor. Isso não explica nem de longe o que é o Corinthians. Mas, do lado de cá (do microfone e da imprensa há 17 anos, da arquibancada a minha vida toda), posso dizer que não é preciso o Corinthians entrar em campo para vencer”.

 Mauro Beting (um cara que nao eh corinthiano!)